Neoplasia maligna de pênis -

câncer de pênis

Fontes bibliográficas

 

-NCCN (National Comprehensive Cancer Network)

- NCCN Guidelines, versão 2016

 

-EAU (European Association of Urology)

- Pocket Guidelines, edição 2016

Câncer de pênis –
Carcinoma de Células Escamosas (SCC) ou Carcinoma Espinocelular (CEC)

 

Epidemiologia

 

 

- Doença rara

 

- Representa 0,4 a 0,6% das neoplasias malignas entre os homens nos EUA e Europa

- Incidência até 10% entre homens em países em desenvolvimento na África, Ásia e América do Sul

2.030 = número estimado de novos casos EUA, 2016.

340 mortes

 

50 a 70 anos - Idade mais comum apresentação

 

Taxa de sobrevida média em 5 anos 50%

  - 85% com linfonodos ing (-)

  - 29-40% com linf ing (+)

  - 0-10% com linf pélvicos (+)

Fator de risco

 

Idade: idade média nos EUA 68 anos

 

Fimose: aumenta risco 25 a 60%;

  pode esconder áreas que devem ser avaliadas devido a alta incidência:

  - glande (34,5%), camada interna do prepúcio (13,2%),

sulco coronal e haste (4,5%)

 

Balanite

Inflamação crônica

Trauma

 

Tabagismo: aumenta risco 3 a 4,5x

 

Líquen escleroso / balanite xerótica:

  portadores tem risco de 2 a 9% de desenvolver

 

Falta de higiene

 

DST, principalmente HIV e HPV.

HPV:

45 a 80% todos os casos estão relacionados,

principalmente sorotipos 16 e 18

 

HIV: risco aumenta 8x

 

Psoríase: paciente em tratamento com fototerapia ultravioleta A (PUVA), risco aumenta 268x

 

Zoofilia?

Apresentação clínica

 

Maioria com lesão palpável, visível, pode estar associado com dor, descarga de secreção, sangramento, odor fétido

 

Nodular, ulcerativa ou vegetante e pode estar oculta pela fimose

 

Sinais doença avançada:

  LFN palpáveis e sintomas constitucionais (fadiga, perda de peso)

Estadiamento clínico

 

 

95% originam-se de células epiteliais escamosas

 

Divisão:

Carcinomas de células Escamosas (SCC)

x

Neoplasia Intraepitelial (NIP)

- NIP (Neoplasia intraepitelial ou Ca in situ):

lesões pré-malignas - estágio prematuro e não invasivo do SCC

 

- Papulose bowenóide (HPV, pele da região anogenital, múltiplas pequenas pápulas planas ou aveludadas e de coloração que varia do róseo ao castanho-escuro)

 

- Eritroplasia de Queyrat (lesão bem delimitada, aveludada e avermelhada, acomete glande, prepúcio ou haste)

 

- Doença de Bowen (restante da genitália ou períneo, outras partes do corpo)

Câncer de pênis –
Carcinoma de Células Escamosas (SCC) ou Carcinoma Espinocelular (CEC)

AJCC (American Joint Committee on Cancer) –

4 subtipos de SCC:

 

1- Verrucoso (Buschke-Lowenstein, bom prognóstico, baixo risco de invasão linfonodal)

2- Papilar escamoso (bom prognóstico)

3- Warty (bom prognóstico)

4- Basalóide (pior prognóstico)

 

Variantes Adenoescamoso e Sarcomatóide (pior prognóstico)

Carcinoma Verrucoso

Buschke-Lowenstein /

condiloma acuminado gigante

AJCC (American Joint Committee on Cancer)

estadiamento TNM 7ª ed. 2010

 

 

Graduação histopatológica (T1a, T1b):

 

G1 - bem diferenciado

G2 - moderadamente diferenciado

G3 - pobremente diferenciado

G4 - indiferenciado

Diagnóstico Tumor primário

 

- Exame físico adequado

- Biópsia (diagnóstico histológico):

 

  - punch, incisional ou excisional

  - determinar o algoritmo de tratamento

  - informar o grau do tumor

  - nortear a estratificação do risco de acometimento linfonodal

Quando fazer Biópsia tumor primário?

(EAU Guidelines 2016)

 

 

-Dúvida sobre a natureza exata da lesão (por ex. Cis, metástase ou melanoma);

-Tratamento com agentes tópicos, radioterapia ou laser terapia é planejado

Recomendações NCCN

 

Tis (NIP) ou Ta (carcinoma verrucoso não invasivo)

 

 

- Tratamento tópico:

-5-fluouracil (5-FU) creme ou imiquimod tópico (5%)

 

- Postectomia (circuncisão) ou excisão local ampla como cirurgia de Mohs

 

- Ablação com CO2, ou ablação a laser (Nd: YAG - Neodymium:

yttrium-aluminium-garnet)

  - laser terapia (recorrência 18%)

 

- Glandectomia

-(sem recorrência).

Tis ou Ta  

  

Terapia tópica e excisão cirúrgica poupadora de órgão : mais usadas

 

Terapias tópicas:

risco de reações no local (toxicidade local)

risco de recorrência (vigilância ativa)

 

- 5-FU - primeira linha, usar por até 7 semanas,

73% sem recorrência em seguimento de até 3,5 anos

- Imiquimod - segunda linha, 4 ou mais vezes por semana, por aprox 2 meses

 

NIP: Papulose bowenoide e doença de Bowen, respondem melhor em relação à Eritroplasia de Queyrat

T1a G1-2

 

- Excisão local ampla como cirurgia de Mohs mais cirurgia reconstrutiva com ou sem enxerto

- Laser terapia

- Radioterapia:

  - Braquiterapia com implante intersticial – preferida

  - RT externa com ou sem QT

 

Margem cirúrgica segura de 5/10mm até 20mm promove adequado controle tumoral

 

Postectomia deve sempre ser realizado antes da RT (prevenir complicações)

T1b G3-4 ou >=T2

 

- Cirurgia extensa

- Penectomia parcial ou total

 

- Recomendado biópsia de congelação no intraoperatório

-T1bG3-4 < 4cm: Braquiterapia preferido em relação RT externa

-T1bG3-4 > 4cm: RT externa com QT pode ser considerada

Braquiterapia

-não é recomendada após penectomia parcial ou total

-pode ser realizada após excisão local ou biópsia excisional de pequenas lesões

RT pós-operatória, pode ser considerada em caso de margens positivas

T2

Penectomia parcial

RT externa

Braquiterapia (< 4cm)

 

T3

Penectomia parcial

Penectomia total com uretrostomia perineal

 

T4

QT neoadjuvante seguida de cirurgia em responsivos

Alternativa: RT externa paliativa

Penectomia Parcial

Penectomia Total

pen3.jpg
pen2.jpg
pen1.png
pap bow1.jpg
dca bowen.jpg
pap bow2.jpg
eritropl1.jpg
eritrol3.jpg
eritrop2.jpg
verruc1.jpg
verruc2.jpg
estad pen1.jpg
penect1.png
penect2.jpg
penect3.png
penect4.png
penect5.jpg
penect6.jpg
penect7.png
penect13.jpg
penect12.png
penect10.jpg
penect11.png
penect14.jpg
penect8.jpg
penect9.png